• Dança7
Menu
Coordenação
 
 
Parcerias
 
Financiamento
FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia
 
Referência
PTDC/EAT-MMU/104255/2008
 
Equipa
 

ProjectoCarrilhoes

 
Resumo 
Os carrilhões de Mafra são instrumentos musicais notáveis, em estado de deterioração. No seu conjunto, constituem o maior carrilhão do século XVIII sobrevivente na Europa. A sua recuperação merece especial consideração científica, tratando-se de sinos que devem ser tratados com cuidadosos métodos de restauro. A afinação deve ser não-destrutiva e cumprir critérios científicos nas áreas da acústica musical e da musicologia.

A inovação essencial desta proposta reside na abordagem científica para a afinação e restauro dos carrilhões, baseada em técnicas avançadas da acústica física e da musicologia. Os resultados deste projecto incluem relatórios científicos e recomendações técnicas que permitirão ao Governo Português encarar uma acção de afinação e restauro baseada nos procedimentos científicos mais recentes. Constituindo um avanço notável em física e musicologia, este projecto beneficiará ainda um património cultural precioso negligenciado durante décadas, em grande parte devido à falta de soluções técnicas e musicológicas.

A basílica de Mafra é uma obra maior do barroco, em Portugal e na Europa. A construção foi iniciada em 1717, no reinado de D. João V; inclui uma capela de grandes dimensões, um convento, o palácio real, uma biblioteca magnífica com mais de 40K livros, e outras instalações. O instrumentário da basílica inclui o único conjunto conhecido de seis órgãos construídos para execução simultânea, bem como os carrilhões, ambos do século XVIII (torres Norte e Sul). Sendo equipamento cultural público, a Basílica foi convertida num museu, o restauro dos seis órgãos foi recentemente concluído, no entanto os carrilhões aguardam ainda restauro (Doderer, 2002). O carrilhão da torre Sul é tocado com frequência, tendo sido recentemente restaurado. Afirma-se que o carrilhão da torre Norte está bastante desafinado, no entanto desconhece-se o estado real da afinação já que não é usado há mais de um século.

A afinação contemporânea de carrilhões coloca um conjunto substancial de problemas. Na área da musicologia, é necessário decidir a afinação-objectivo, tendo em conta o ponto de vista histórico e também os aspectos performativos. O diagnóstico do estado dos carrilhões é essencial, bem como a respectiva afinação actual. É necessário proceder à investigação dos standards de afinação dos sinos, no local e época da fabricação dos carrilhões, tendo presente que tais standards variaram nas diversas fábricas europeias segundo os padrões do gosto musical e das tradições performativas (Haynes, 2002). No campo técnico, é seguro afirmar que a afinação não-destrutiva dos sinos de carrilhões históricos constitui um domínio virgem a explorar. Tipicamente, a afinação é realizada através da remoção de metal por torneamento. Dependendo da quantidade e localização do metal removido as frequências modais do sino aumentam ou diminuem. Este processo é caro, demorado e destrutivo, impondo a desmontagem dos sinos da estrutura do carrilhão. A afinação tradicional é baseada em procedimentos essencialmente derivados do conhecimento empírico (Rossing, 2000).Uma tal prática é adaptada aos sinos actuais, mas inaceitável nos carrilhões de importância histórica – por razões de preservação da herança cultural.

O aspecto crucial deste projecto é o desenvolvimento de técnicas objectivas da física para conseguir a afinação adequada de carrilhões históricos, sem realizar alterações destrutivas nos sinos. Tanto quanto sabemos, a afinação não-destrutiva de carrilhões históricos utilizando dispositivos que acrescentam inércia ou rigidez nunca foi tentada, pelo menos numa base científica. Realizaremos investigação inovadora em afinação multi-modal, utilizando métodos de modelação estrutural e optimização para a concepção de dispositivos correctivos por adição de massa e/ou rigidez, minimizando os efeitos de amortecimento, baseados em técnicas analítico-numéricas recentemente desenvolvidas pelos autores (Henrique & Antunes, 2003; Inácio & Antunes, 2008).

Ambas as torres de Mafra possuem mecanismos de execução automática (cilindros rotativos com cavilhas accionando alavancas). Uma primeira avaliação foi efectuada, revelando que ambos estão em más condições, com peças ausentes ou danificadas (cavilhas, transmissões partidas, etc.). Apesar de não estar em uso, o mecanismo da torre Sul foi restaurado nos anos 60, revelando sinais de intervenções destrutivas (no essencial peças substituídas). Tanto quanto sabemos, não existem gravações destes mecanismos em execução ou transcrições do repertório, nem mesmo listas de melodias. No entanto, com base na avaliação preliminar, um restauro afigura-se viável, tornando possível a execução de melodias antigas pelos carrilhões automáticos. A recuperação de um património cultural importante e de um instrumento histórico para a execução musical está ao alcance. O restauro histórico do mecanismo original, dos cilindros de melodias e da transmissão pertencem assim ao universo deste projecto.