• Disco
Menu
Conferência Internacional
 
 
Memória, Cultura e Devir - Estudos Aprofundados em Ciências Sociais   
 
 
10 a 12 de Maio de 2018 | Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
 
 
 
Resumo 
 

Esta conferência pretende interrogar a hipertrofia dos estudos sobre a memória, que corresponde a um estado do saber e das sociedades, sobretudo desde os anos de 1980, quando o optimismo se diluiu e o futuro pareceu tornar-se passado. Essa viragem, coetânea de mudanças ao nível das sociedades, requer uma reflexão em torno dos usos do passado, como artefacto do presente (Lowenthal, 1985), sujeitos às relações de forças dentro das sociedades. A actual obsessão do passado é uma resposta substitutiva às urgências do presente ou, mesmo, uma recusa do futuro (Rousso, 1994: 280). Pretende interrogar-se a relação com as fontes que falam, que questione a teoria e os métodos, entre a memória e a história oral, numa abordagem em que os saberes de fronteira de várias disciplinas têm de ser convocados. Terreno não pacificado, a memória continua a ser um interessante problema para as ciências sociais. Intensificou-se como objeto de estudo, materializado em formatos de património, no decurso dos anos 1980. Conquanto memórias traumáticas com as dos fascismos e do nazismo pudessem ter sido alvo de um trabalho anterior dos investigadores, e que a memória tenha hoje o estatuto de religião civil do mundo ocidental, o processo de passagem dememória fracaa memória fortenão foi imediato (Traverso, 2005:54-59). Quando a topolatria se tornou central, por que razões se ergueramlugares de memória, ao mesmo tempo que desapareciam os meios de memória? Que dificuldades surgem na criação de lugares de memória de situações conflituais? Como se recorda o trauma e o acontecimento? Quando adquiriu a memória tal centralidade nas Ciências Sociais? Estudamos cada vez mais a memória porque as sociedades se ressentem de uma ausência de esperança? Que relação estabelece o presentismo, como denegação do devir, com os usos da memória? Qual a conexão entre a experiência e a expectativa, e quanto (e qual...) passado se resgata para o futuro? Num tempo em que se tornou ecuménico o património, que relação estabelece a memória com ele, entre a beleza do mortoe novos caminhos? Qual o papel da cultura na construção de uma força material das ideias? Em processos de exibição e musealização do passado, como lidamos com a memória das ditaduras e os processos de transição para as democracias? Que espaço se consagra ao devir na pesquisa em ciências sociais? Esta conferência resulta do trabalho realizado no seminário com o mesmo nome, no âmbito do Instituto de História Contemporânea e do INET-md (NOVA FCSH), congregando investigadores juniores e seniores. Beneficia do aprofundamento dos saberes no âmbito de um conjunto de relações internacionais estabelecidas pelos investigadores. Assim, congrega colegas de vários centros europeus, da Universidade Federal do Ceará e da Red(e) Ibero-Americana Resistência e/y Memória, trazendo até Lisboa investigadores de várias proveniências disciplinares, no domínio das ciências sociais.

 
 
Organização
 
 
Comissão Organizadora 
 
 
 
Parcerias
 
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa | FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia | GI Identidades, Culturas, Vulnerabilidades do ICS – Universidade de Lisboa | Museu de Salto - Câmara Municipal de Montalegre | Museu do Trabalho Michel Giacometti - Câmara Municipal de Setúbal | Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Ceará | RIARM - Red(e) Ibero-Americana Resistencia e/y Memoria | Teatro do Vestido | Livraria Letra Livre