• Bombos
Menu
Escolher um contacto:
Imagem do contacto
Doutorando
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas | Universidade Nova de Lisboa
Av. de Berna, n.º 26 C
1069-061 Lisboa
Portugal
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Tel: (+351) 21 790 83 00 (ext. 1583)

Nota Biográfica

Hugo Castro é Licenciado em Antropologia pela FCTUC (2006) e Mestre em Ciências Musicais – variante de Etnomusicologia pela FCSH-UNL (2012), com uma dissertação que abordou a produção fonográfica da canção de protesto em Portugal nas décadas de 1960 e 1970. Integrou alguns projetos de investigação, entre os quais foi assistente de investigação no projeto “Estudo Antropológico das Festas Nicolinas” (CRIA-CMG), participando na pesquisa documental e no trabalho de campo, sendo também responsável pela redação de um estudo de cariz etnomusicológico sobre práticas festivas sonoras. Atualmente é bolseiro no segundo ano do Programa de Doutoramento FCT “Música Como Cultura e Cognição” no INET-md da FCSH-UNL, onde desenvolve trabalho de pesquisa sobre os temas da canção e política em Portugal no contexto da Revolução dos Cravos. Está integrado na comissão executiva de duas conferências internacionais (ICMHM’16 e ICPSong’16), onde exerce as funções de Secretário Executivo e integra a equipa de organização de uma exposição de capas de discos de vinil, intitulada “Discos na Luta”.
 
 
 
Projeto de Doutoramento
 
Título
A canção política em Portugal durante e após a Revolução dos Cravos (1974-1979) [provisório]
 
HugoCastroBarraDoutoramento.png
 
Orientação
 
Referência Bolsa
PD/BD/114394/2016
 
Resumo
O presente projeto de investigação consiste numa abordagem etnomusicológica das práticas de expressões musicais que estiveram intrinsecamente ligadas a questões políticas, partidárias e ideológicas em Portugal, compreendendo um período iniciado no golpe militar de 25 de Abril de 1974 e que marca o início da Revolução dos Cravos; até 1979, ano marcado por eleições legislativas e autárquicas que rompem o domínio da esquerda política em Portugal. Tendo em conta as particularidades e as profundas mudanças que o país viveu nestes cinco anos subsequentes à Revolução, proponho-me abordar o papel de diferentes expressões musicais durante o contexto revolucionário e o processo de democratização que se seguiu, procurando explorar as formas como as práticas musicais da designada “canção de protesto” ou “canção de intervenção”, entre outras, foram configuradas neste período e ficaram associadas a um conjunto de valores profusamente ligados ao contexto histórico que se viveu no país. [provisório]