• Caretos
Menu
Escolher um contacto:
Imagem do contacto
Doutoranda
Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e Arte
Aveiro
3810-193
Portugal
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
CV:

Nota Biográfica

Karla Bach é percussionista da Orquestra Sinfônica Nacional da UFF. Mestre em Musicologia pelo Conservatório Brasileiro de Música, criou o curso de Bacharelado em Percussão nesta mesma instituição, onde atuou como professora e diretora do Grupo de Percussão do CBM. Formada na classe de John Boudler, na UNESP, participou do renomado grupo de percussão do Instituto de Artes da UNESP (PIAP). Apresentou-se como solista da Orquestra de Câmara do Rio de Janeiro e da Orquestra Sinfônica Nacional. Com o violonista Paulo Pedrassoli, se apresentou no Brasil, Alemanha, Portugal, Caribe, Marrocos, Japão, França, Índia, Estados Unidos e Austrália. É integrante do Almendrix Trio, que juntamente com o pianista João Carlos Assis Brasil e o violonista Paulo Pedrassoli já encantou platéias pelo mundo. Em 2012, foi aprovada para o curso de doutoramento em Etnomusicologia na Universidade de Aveiro (Portugal). Integrou a comissão organizadora do Congresso Post-Ip 2013 e é membro do INET-MD na Universidade de Aveiro.

 

O Som que Estremece o Coração

Os "Bombos de Lavacolhos": dinâmicas e práticas

"O som que estremece o coração "(int. 2014), uma metáfora usada pelo tocador e artesão Américo Simão, expressa a experiência emocional incorporada e gerada pela performance dos "Bombos de Lavacolhos", uma prática musical tradicional que é interpretada por homens – bombos, caixas e flauta ("Pífaro") - e um coro masculino. Todos os anos, em três festas diferentes do calendário local, em Lavacolhos uma freguesia do município do Fundão, a prática dos "Bombos de Lavacolhos" envolve a comunidade local, emigrantes e um grande número de visitantes. No entanto, o impacto social desta prática vai muito além destes momentos, assumindo entre outros a heraldica da freguesia, a fundação da Casa do Bombo e na manutenção de dois construtores de bombos, cujos instrumentos artesanais são necessários para tocadores locais e outros. Esta trabalho etnomusicológico compreende duas dimensões, com o objetivo de entender como uma prática musical como a dos Bombos de Lavacolhos tecem identidades individuais e comunitárias, habilita os seus tocadores e construtores, transmite estratégias sociais, políticas e culturais. A dinâmica social e os papéis individuais que convergem na prática dos Bombos de Lavacolhos são o centro deste estudo. Acente em contribuições dos campos teóricos da etnomusicologia e prática teorica algumas questões são levantadas: Qual é o significado social desta prática, os seus protagonistas, a razão da prática ser mantida no século XXI, sua construção e o que torna o seu som único?
Palavras chave: Bombos, Lavacolhos, Performance, Festa, Tocadores.